O NORDESTE / Enciclopédia Nordeste / Zé Marcolino

Pesquisar em ordem alfabética

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y X Z
  • Z

Zé Marcolino

  • Tamanho da letra

    Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
  • Imprimir

    Imprimir
  • Enviar por e-mail

    Enviar por e-mail
Voltar
Zé Marcolino, poeta e compositor
Zé Marcolino

Zé Marcolino ficou conhecido como o poeta de Sumé - Paraíba, nascido José Marcolino Alves, em 28/6/1930, no sítio Várzea Paraíba. Faleceu em acidente de carro na rodovia que liga Afogados da Ingazeira a Carnaíba, na microrregião do Pajeú, sertão pernambucano, em 20 de setembro de 1987 (o acidente foi no dia 19). Quando morreu, José Marcolino estava morando em Serra Talhada, no sertão pernambucano.

Após sua morte, estátuas, praças e outros logradouros públicos foram erguidos em sua homenagem, na cidade de Serra Talhada (Pernambuco).

Cantava nas festas de sua cidade natal, trabalhou como carpinteiro, barbeiro e vaqueiro, entre outras atividades. Fazia músicas e sonhava em poder mostrá-las para Gonzagão.

Em 1961, conheceu-o em Sumé, mostrou-lhe algumas músicas. Marcolino morava em um sítio. Luiz Gonzaga estava hospedado no Grande Hotel, onde Marcolino foi apresentado a ele pelo líder político Viton e o juiz da cidade.

Dessa apresentação nascia uma das melhores parcerias da música popular nordestina. Zé Marcolino foi convidado por Gonzagão para ir ao Rio de Janeiro. Lá produziu, pela RCA, junto com o Rei, o LP "Ô véio macho" que contém seis composições suas, além de tocar gonguê no disco.

No LP "A Triste Partida", Luiz Gonzaga "Cacimba Nova", "Marimbondo", "Sala de reboco" e "Cantiga de vem-vem".

Suas primeiras parcerias com o Rei do Baião gravadas pelo mesmo foram os baiões "Pássaro carão"  e "Matuto aperreado", em 1962. No ano seguinte, Luiz Gonzaga gravou de sua autoria o baião "Pedido a São João". Em 1963, teve  o baião "Caboclo nordestino" gravado no LP "Pisa no pilão", de Luiz Gonzaga.

Seu maior sucesso, o xote "Sala de reboco", tem mais de 30 regravações. Além de Luiz Gonzaga, teve suas músicas gravadas por artistas como Trio Nordestino, Dominguinhos, Assisão, Genival Lacerda e Ivan Ferraz, entre outros.

Em 1965, compôs "Fogo sem fuzil" e "Quero chá", polquinhas, ambas em parceria com Gonzagão, que as gravou no LP "Quadrilhas e marchinhas juninas". Em 1983, compôs com Luiz Gonzaga "Projeto Asa Branca", gravado no LP "70 anos de sanfona e simpatia". Em 1986, compôs com Zé Marcolino "Boca de Caieira", gravada por Gonzaga no disco "Forró de cabo a rabo". Em 1999, Cézar do Acordeon gravou um pot-pourri em sua homenagem com as composições "Matuto aperreado", "Cacimba nova", "Pássaro carão", "Caboclo nordestino" e "Prece a São João". Compôs 10 músicas com Luiz Gonzaga.

Zé Marcolino também é autor da antológica "Serrote Agudo" (parceria com Luiz Gonzaga), dentre outras.

Zé Marcolino foi um grande compositor, principalmente com músicas cedidas à Luiz Gonzaga.

Em 1988, um ano após sua morte, foi homenageado com a 1a Missa do Poeta, na Concha Acústica de Serra Talhada (PE). O evento foi acompanhado por cinco mil pessoas, e obteve grande repercussão na imprensa. Na ocasião foi realizado um show, com participação especial de Luiz Gonzaga, seu parceiro em algumas composições, Ivan Ferraz, Alcimar Monteiro, Rui Grude, Elias Nogueira, Conjunto Os Tropicais, Flávio José, Arlindo dos Oito Baixos, e Nádia Pessoa, uma menina de sete anos que foi atração tocando músicas nordestinas em harpa; além de Sebastião Dias, Geraldo Feitosa, Val, Zeto e Bia, Lourival Batista, o Louro do Pajeú. A partir de 1991, a Missa do Poeta, que já vinha sendo realizada anualmente, passou a ser realizada na cidade de Tabira (PE), também no interior de Pernambuco, sempre com a presença de grandes poetas. 

Composições

Cacimba Nova, toada (José Marcolino)(1964); Numa Sala De Reboco, xote (José Marcolino/Luiz Gonzaga)(1964); Cantiga do Vem-Vem, baião (José Marcolino/Panta)(1964); Fogo sem Fuzil, polquinha (Luiz Gonzaga/José Marcolino)(1965); Quero Chá, polquinha (José Marcolino/Luiz Gonzaga)(1965); Sertão de aço, xote (José Marcolino/Luiz Gonzaga)(1962); Serrote Agudo, toada-baião (José Marcolino/Luiz Gonzaga)(1962); Pássaro Carão, baião (José Marcolino/Luiz Gonzaga)(1962); Matuto Aperriado, baião (José Marcolino/Luiz Gonzaga)(1962); A Dança de Nicodemos, xote (José Marcolino/Luiz Gonzaga)(1962); No Piancó, xote (José Marcolino/Luiz Gonzaga)(1962); Pedido a São João, baião (José Marcolino)(1963); Caboclo Nordestino, baião (José Marcolino)(1963); De Olho no Candeeiro (João Silva/Zé Marcolino)(1987); Boca de Caieira (Zé Marcolino/Zé Mocó)(1986); Eu e Meu Fole (Zé Marcolino)(1986); Projeto Asa Branca (José Marcolino/Luiz Gonzaga)(1983); Conselho ao Filho Adulto (José Marcolino); Bota Severina Pra Moer (Zé Marcolino e Zé Mocó).

Fontes: Forró em Vinil; Glossário Gonzaguiano, Daniel Bueno, Liceu, Recife, 2012; Wikipédia.

Palavras-chave: Nordeste