O NORDESTE / Enciclopédia Nordeste / Usina Trapiche

Pesquisar em ordem alfabética

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T UV W Y X Z
  • U

Usina Trapiche

  • Tamanho da letra

    Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
  • Imprimir

    Imprimir
  • Enviar por e-mail

    Enviar por e-mail
Voltar
Fundaj
Usina Trapiche, Sirinhaém, Pernambuco

Lúcia Gaspar - Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco - pesquisaescolar@fundaj.gov.br

Localizada no município de Sirinhaém, foi fundada em 1887, no antigo engenho Trapiche, de propriedade de Gaspar de Menezes Drummond, por José Maria Carneiro da Cunha que recebeu uma concessão do Estado para sua construção.


Moeu pela primeira vez em 1890, quando já pertencia à Companhia Agrícola e Mercantil de Pernambuco.

Em 1929, tendo como proprietária a firma Mendes Lima, possuía 15 propriedades agrícolas, 43 quilômetros de ferrovia, cinco locomotivas e 65 carros. Tinha capacidade para esmagar 300 toneladas de cana e fabricar 3.000 litros de álcool em 22 horas. O transporte da cana, do açúcar e do álcool era feito pela ferrovia própria e por barcaças.

Por volta de 1934, fundiu-se com a Usina Ubaquinha, também de propriedade do Grupo Mendes Lima, comandado por Manoel Batista da Silva. A fusão foi realizada na administração de Armando de Queiroz Monteiro, que era o diretor da área açucareira do Grupo.

Na safra de 1935/1936, a usina produziu cerca de 34.000 sacos de açúcar e na de 1955/1956 sua produção atingiu a marca dos 400.000 sacos.

Em 1944, Armando Monteiro deixou a direção da área açucareira do Grupo Mendes e Lima, comprando e assumindo o controle da Companhia Geral de Melhoramentos em Pernambuco, proprietária da Usina Cucaú.

No período de 1945 a 1962, quando morreu Manoel Batista da Silva, a usina passou por várias reformas e foi deixada como herança para sua filha Helena Batista da Silva Perez.

Em 1975, a usina foi comprada pelo Grupo Brennand, que reorganizou toda a área agrícola e sua unidade industrial, instalando também uma moderna refinaria, com capacidade de produção de 1.900.00 sacos de açúcar refinado.

Com geração de energia elétrica auxiliar própria (2.500kw), a Trapiche montou também uma destilaria com capacidade de produção de 200 a 300.000 litros/dia de álcool anidro, hidratado e neutro.

A usina dispõe de sistema habitacional, educacional e assistência médica para os seus empregados.

Recife, 7 de agosto de 2003.

(Atualizado em 9 de setembro de 2009).


FONTES CONSULTADAS:

ANDRADE, Manuel Correia de. História das usinas de açúcar de Pernambuco. Recife: FJN. Ed. Massangana, 1989. 114 p. (República, v.1)

GONÇALVES & SILVA. O assucar e o algodão em Pernambuco. Recife: [s.n.], 1929. 90 p.

MOURA, Severino. Senhores de engenho e usineiros, a nobreza de Pernambuco. Recife: Fiam, CEHM, Sindaçúcar, 1998. 320 p. (Tempo municipal, 17).

Fonte: GASPAR, Lúcia. Usina Trapiche. Pesquisa Escolar On-Line, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://www.fundaj.gov.br>.

Siga www.onordeste.com pelo Twitter 

Palavras-chave: