O NORDESTE / Enciclopédia Nordeste / Salvador

Pesquisar em ordem alfabética

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R ST U V W Y X Z
  • S

Salvador

  • Tamanho da letra

    Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
  • Imprimir

    Imprimir
  • Enviar por e-mail

    Enviar por e-mail
Voltar
Salvador, Farol da Barra
Salvador destino turístico do Nordeste

A história da cidade de Salvador inicia-se 48 anos antes de sua fundação oficial com a descoberta da Baía de Todos os Santos, em 1501. A Baía reunia qualidades portuárias e de localização, o que a tornou referência para os navegadores, passando a ser um dos pontos mais conhecidos e visitados do Novo Mundo. Isso fomentou a idéia de construção da cidade. O rei D. João III, então, nomeou o militar e político Thomé de Sousa para ser o Governador-geral do Brasil e fundar, às margens da Baía, a primeira metrópole portuguesa na América.

Em 29 de março de 1549, a armada portuguesa aportava na Vila Velha (hoje Porto da Barra), comandada pelo português Diogo Alvares, o Caramuru. Era fundada oficialmente a cidade de Cidade do São Salvador da Baía de Todos os Santos, que desempenhou um papel estratégico na defesa e expansão do domínio lusitano entre os séculos XVI e XVIII, sendo a capital do Brasil de 1549 a 1763.

O trecho que vai da atual Praça Castro Alves até a Praça Municipal, o plano mais alto do sítio, foi escolhido para a construção da cidade fortaleza. Thomé de Souza chegou com uma tripulação de cerca de mil homens - entre voluntários, marinheiros soldados e sacerdotes, que ajudaram na fundação e povoação de Salvador.

Em 1550, os primeiros escravos africanos vieram da Nigéria, Angola, Senegal, Congo, Benin, Etiópia e Moçambique. Com o trabalho deles, a cidade prosperou, principalmente devido a atividade portuária, cultura da cana de açúcar e comercialização o algodão o fumo e gado do Recôncavo.

A riqueza da Capital atraiu a atenção de estrangeiros, que promoveram expedições para conquistá-la. Durante 11 meses, de maio de 1624 ao mês de abril de 1625, Salvador ficou sob ocupação holandesa. Em 1638, mais uma tentativa de invasão da Holanda, desta vez com o Conde Maurício de Nassau que não obteve êxito.

A cidade foi escolhida como refúgio pela família real portuguesa ao fugir das investidas de Napoleão na Europa, em 1808. Nessa ocasião, o príncipe regente D. João abriu os portos às nações amigas e fundou a escola médico-cirúrgica, primeira faculdade de medicina do País.

Em 1823, mesmo um ano depois da proclamação da Independência do Brasil, a Bahia continuou ocupada pelas tropas portuguesas do Brigadeiro Madeira de Mello. No dia 2 de julho do mesmo ano, Salvador foi palco de um dos mais importantes acontecimentos históricos para o estado e que consolidou a total independência do Brasil. A data passou a ser referência cívica dos baianos, comemorada anualmente com intensa participação popular.

Dos planos iniciais de D. João III, expressos na ordem de aqui ser construída "A fortaleza e povoação grande e forte", o compromisso foi cumprido por Thomé de Souza e continuado pelos que os sucedem. São filhos de Catarina e Caramuru, que se misturaram com os negros da mãe África e legaram à Salvador a força de suas raças criando um povo "gigante pela própria natureza".

Arquitetura       
 
A primeira capital do Brasil guarda em seu território muito da arquitetura da época colonial, abrigando relíquias seculares. Seus museus e palácios de excelência arquitetônica contam como era a vida da suntuosa e imponente Salvador nos tempos de Colônia e Império.

O traço da cidade declara a preocupação dos colonizadores do século XVI em criar uma cidade com boa estrutura de defesa, de maneira que sua porção litorânea fosse guardada pelos fortes sempre vigilantes a possíveis invasões.

O conjunto arquitetônico do Pelourinho está no mais alto sítio da cidade. Seus mais de mil sobrados, solares, palacetes, igrejas e conventos são voltados para o sul, o que remonta o modelo Ibérico de construções, com grandes salões voltados para o poente e quintais em forma de jardins ao fundo. Nestas construções as pedras de lios compõem as alvenarias e o acabamento, feito em azulejos portugueses.

Do século XVII vieram os registros beneditinos com igrejas de grande porte e riqueza. Adornos em madeira, folheados a ouro e pinturas ao teto finalizam estas construções com um toque do Barroco. Os espaços que melhor caracterizam esse período são a Catedral Basílica, o Convento do São Francisco, a Igreja de N. S. do Carmo, a Casa da Misericórdia e a Igreja da Conceição da Praia.

Um século depois, como reflexo da mudança da capital para o Rio de janeiro, a arquitetura torna-se menos vultuosa, contudo ganha em elegância e graciosidade, o que relembra o rococó Barroco. Neste período foram construídas a Igreja de N. S. da Penha da França, N. S. da Conceição do Boqueirão, N. S. da Saúde e Glória e a famosa Igreja de N.S. do Bonfim.

No século XIX cresce a urbanização da cidade, que ganha os sobrados elevados de até quatro pavimentos. A influência neoclássica é dominante com colunas, baixos relevos de guirlandas e medalhões nas fachadas. São datadas desta época as construções do Mercado Modelo (antiga Alfândega) e da sede da Associação Comercial.

No século passado, rompendo com o modelo de arquitetura antiga - marcante em toda a história da cidade, surge um novo traçado arquitetônico com largas avenidas e vales que incorporam prédios pós-modernos de formas não regulares, nos quais o vidro e o concreto são predominantes e contrastam com cores fortes. São exemplos da recente Salvador o prédio da Casa do Comércio Deraldo Mota, o Centro de Convenções, o Teatro Castro Alves, o Estádio Otávio Mangabeira e os grandes shoppings centers.

Sem esquecer do passado, Salvador da Bahia entra no século XXI com mais inovações, acompanhando a trajetória mundial. O Plano Inclinado Gonçalves, que liga a cidade alta à cidade baixa, foi revitalizado. O Elevador Lacerda que, além de ter sido restaurado ganhou um posto de atendimento ao turista, conta agora com uma moderna iluminação cênica, capaz de mudar as cores do imponente monumento à medida que o sol se põe. De lá, é possível se obter uma das melhores visões panorâmicas da cidade.

O Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães também foi contemplado pelas inovações, tornando-se um dos aeroportos de melhor infra-estrutura do país. Com a recente construção do metrô, a cidade consolida a sua vanguarda e escreve um novo capítulo de sua história arquitetônica, lapidada ao longo dos séculos. Na cidade, de traçado singular, convivem em harmonia os antigos casarões e as modernas construções urbanas.

Manifestações Populares       
 
Passadas através de gerações, as manifestações populares são um forte traço cultural da cidade de Salvador. O folclore da cidade reúne elementos artísticos feitos do povo para o povo, sempre ressaltando o caráter de tradicionalidade destas representações. O que torna a capital da Bahia num grande destino turístico do Nordeste

Afoxé
"Filhos de Gandhy, badauê, Ilê aiê, Malê debalê, otum obá, tem um mistério, que bate no coração, força de uma canção, que tem o dom de encantar. Seu brilho parece, um sol derramado, um céu prateado, um mar de estrelas...

Capoeira
Capoeira é dança e luta (estratégia de defesa e ataque), e se compõe da sonoridade de instrumentos tais como o berimbau (rico instrumento monocórdio), o atabaque (instrumento percussivo), o pandeiro, o agogô, o caxixi (instrumento de referências indígenas) para a sua realização efetiva.

Folias de Reis
A Folia de Reis é uma festa religiosa de origem portuguesa, que chegou em Salvador no século XVIII. Nas terras lusitanas, tinha como principal finalidade entreter a população local.

Maculelê
De impressionante efeito plástico, o Maculelê pode ser coreografado com bastões ou até com facões que refletem faíscas.

Samba de Roda
O samba de roda surgiu a partir da união de muitos elementos de dança dos diferentes povos africanos numa espécie de intercâmbio cultural.

Geografia e clima

A formação geográfica da cidade, de forma triangular e cercada pelo mar em 3 lados, concede condições privilegiadas para se aproveitar o sol (média de 2.220 horas de exposição anual ao sol) enquanto uma suave brisa sopra constantemente, tornando o clima muito agradável.

Coordenadas

Latitude Sul: 8°30 a 18°30
Longitude Oeste: 37°30 a 46°30 Ecologia
 
Salvador é uma cidade de clima quente e úmido, tipicamente tropical - localizada entre o Trópico de Capricórnio e a Linha do Equador, ensolarada, com uma temperatura média de 25º C (76º F) que pouco varia durante o ano.

Horas de Sol*

Janeiro 246,4
Fevereiro 224,0
Março 230,0
Abril 189,0
Maio 172,6
Junho 167,2
Julho 185,5
Agosto 204,3
Setembro 211,0
Outubro 228,4
Novembro 213,9
Dezembro 223,6

Com 2465,9 horas anuais de sol e dias claro em todas as estações do ano, Salvador está entre as cidades mais ensolaradas do mundo.

* Média dos últimos 30 anos

Temperatura em °C* max. méd. mín

Janeiro - 30,0 26,5 23,8
Fevereiro - 30,0 26,6 23,9
Março - 29,9 26,7 24,0
Abril - 28,8 26,1 23,7
Maio - 27,7 25,1 22,9
Junho - 26,8 24,3 22,1
Julho - 26,2 23,6 21,4
Agosto - 26,4 24,6 21,3
Setembro - 27,2 24,3 21,8
Outubro - 28,2 25,0 22,5
Novembro - 28,9 25,6 22,9
Dezembro - 29,4 26,0 23,3

Com uma temperatura média anual de 25.5°C, Salvador apresenta pequenas variações térmicas e conta com uma brisa refrescante constante que vem do mar.

Umidade do ar (%)

Máxima: 83 (maio)
Mínima: 80 (janeiro)
Média: 81 (anual)

Nebulosidade do ar (0-10)*

Máxima: 6,2 (maio)
Mínima: 4,9 (janeiro)
Média: 5,4 (anual)

Pressão atmosférica (Mb)*

Máxima: 1011,6 (julho)
Mínima: 1005,8 (março)
Média: 1008,2 (anual)

Velocidades dos ventos no litoral (m/s)*

Máxima: 2,4 (agosto)
Mínima: 2,0 (fevereiro)
Média: 2,2 (anual)

Salvador em Números

Fundação: 29/03/1549
População: 2.948.733 habitantes
Densidade populacional: 9 mil habitantes por km²
Média de habitantes: 3,2 por domicílio
Previsão: 2.759.744 habitantes em 2010 e 3.060.540 habitantes em 2020
Região Metropolitana: Camaçari, Candeias, Dias D'Ávila, Itaparica, Lauro de Freitas, Madre de Deus, São Francisco do Conde, Simões Filho e Vera Cruz.
Estrutura político-administrativa da PMS: 18 unidades de atendimento regional (Siga)
Administração direta: 10.412 servidores ativos
Administração indireta: 5.318 servidores
Aposentados e pensionistas: 10.521
Economia urbana
ICMS
Comércio e serviços: 75%
Atividade industrial: 25%

Localização e características geográficas
Latitude: 12º58'39" de Latitude Sul
Longitude: 38º31'24" a oeste de Greenwich
Altitude: 50 m (Praça Municipal)
Área: 709,50 Km2
Clima: quente e úmido
Temperatura do ar - média anual: 25,5ºC
Umidade relativa do ar: média de 80%
Faixa litorânea: 69,5 Km
Ilhas: Bom Jesus dos Passos, Santo Antônio, dos Frades, Maré e dos Santos
Ilhotas: Coqueiros, Pagões, Itapipuca e Capeta
Acessos: BR-324, BR-242, BR-116, BA-099, BA-001
Terminais: Rodoviário, Marítimo São Joaquim e Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães

Morfologia e Bacias Hidrográficas
Falha geológica: Cidades Alta e Baixa
Planície litorânea: terras baixas, planas e contínuas
Feição: dunas residuais, praias, brejos, mangues e falésias
Corpos hídricos
Rios: Joanes e Ipitanga (que abastecem a cidade), Camurugipe, Pedras, Cobre e Jaguaribe
Lagoas: da Paixão, Iemanjá, Abaeté e dos Frades
Diques: do Tororó, Ladrão, Campinas e de São Caetano
Baía: de Todos os Santos

Saúde
Hospitais estaduais: 14
Unidades de saúde municipais: 141
Unidades Básicas de Saúde: 55
Unidades de Pronto Atendimento (PA): 09
Unidades de Saúde da Família (USF): 47
Centro de Controle de Zoonoses: 01
Centros de Atenção Psicossocial (CAPS): 10
Centros de Saúde Mental (CSM): 03
Centros de Especialidade Odontológica (CEO): 05
Unidades de Atendimento Odontológico (UAO): 02
SAMU: 14 bases
Centro de Referencia em Saúde do Trabalhador (Cerest): 01
Residência Terapêutica (RT): 06
Centros Especializados: 03
Vigilância Sanitária: 01

Educação
Escolas municipais: 411
Escolas estaduais: 255
Alunos matriculados/município: 148.800 média/ano
Alunos matriculados/estado: 313.670 média/ano
Professores municipais: 5.265
Universidades públicas: 03
Instituições de ensino superior privadas: 53

Transporte
Ônibus: 2.300
Complementar (microônibus/vans): 270
Integração (amarelinhos): 98
Trens: 06
Ferries: 08
Ascensores: 04 (Elevador Lacerda e Planos Inclinados Liberdade-Calçada, Gonçalves e Pilar)
Porto
Localização: Baía de Todos os Santos
Capacidade de movimentação: 300.000 TEUs/ano
Movimentação (média anual): 250.000 TEUs
Berços: 2 (240me 210m)
Profundidade: calado de 12 metros
Aeroporto
Terminal de passageiros: 69.400 mil m2
Pátio: 160 mil m2
Passageiros/ano: 6 milhões
Pontes de embarque: 11

Comunicação
Telefonia
Operadoras de telefonia fixa: 4
Operadoras de telefonia móvel: 5
Correios e Telégrafos
Agências: 36
Franqueadas: 48
Jornais: 03
Emissoras de televisão: 06
Emissoras de rádio: 20

Saneamento e Energia
Água/esgoto: Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa)
Limpeza urbana: Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb)
Coleta seletiva: 21 cooperativas e associações
Energia elétrica
Geração: Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf)
Distribuição: Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba)
Consumo
Residencial: 42,1%
Industrial: 7%
Comercial: 36,6%
Serviço Público: 3,37%

Ação social
Beneficiários do PETI: 8.933 crianças
Empresas educativas: 8
Bolsa Família: 145 mil famílias
Farmácias Populares: 09

Cultura, lazer e sociabilidade
Igrejas católicas: 365
Terreiros de Candomblé: 2000 (cadastrados)
Espaços culturais: 38
Casas de espetáculos: 27
Cinemas: 38
Museus: 29
Bibliotecas: 121
Principais praias:
Orla da Baía de Todos os Santos: Inema, São Tomé de Paripe, Ribeira e Boa Viagem
Orla Atlântica: Porto da Barra, Farol da Barra, cristo, Ondina, rio Vermelho, Amaralina, Pituba, Armação, Boca do Rio, Artistas, Corsário, Jaguaribe, Piatã, Placaford, Farol de Itapuã, Stella Maris e Flamengo
Parques municipais: da Cidade Joventino Silva, Metropolitano de Pituaçu, São Bartolomeu, Zoobotânico, Lagoas e Dunas de Abaeté, Metropolitano Ipiranga e Getúlio Vargas Ilha dos Frades.

Fonte: Prefeitura de Salvador

Siga www.onordeste.com pelo Twitter

Palavras-chave: