O NORDESTE / Enciclopédia Nordeste / Reginaldo Veloso

Pesquisar em ordem alfabética

A B C D E F G H I J K L M N O P Q RS T U V W Y X Z
  • R

Reginaldo Veloso

  • Tamanho da letra

    Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
  • Imprimir

    Imprimir
  • Enviar por e-mail

    Enviar por e-mail
Voltar
Acervo www.onordeste.com
Reginaldo Veloso, religioso e compositor
Acervo www.onordeste.com

Padre Reginaldo Veloso, foi um dos fundadores do ITER - Instituto Teológico do Recife e um dos braços direitos de Dom Helder Câmara. Ex-Pároco do Morro da Conceição, atualmente é assessor das CEBs, do MAC e do MTC - Movimento de Trabalhadores Cristãos.
Reginaldo Veloso é Mestre em Teologia e História, escritor, compositor e especialista em liturgia.

Reginaldo Veloso já faz planos para gerar um segundo filho

"A experiência de ser pai de uma criança aconteceu de maneira natural, sem traumas, nem vexames, nem estranhezas. É maravilhoso poder olhar no semblante de alguém e reconhecer os traços de minha esposa, que é mãe, e meus próprios traços, como pai". É assim, de forma singela e clerical, que o padre Reginaldo Veloso, 61 anos, recém-completados, define a emoção que sentiu ao ter nos braços o pequeno João José, hoje com três anos e três meses de vida.

Como todo pai coruja, Reginaldo Veloso não poupa elogios à sua criação. "Ele é um menino muito interessante, inteligente, tem opinião e gosta de conversar", diz, orgulhoso. Futuramente, a família ainda vai crescer mais, com o nascimento de outra criança. "Pretendemos ter outro filho, mas estamos aguardando o momento mais oportuno, ainda não temos uma casa própria e minha esposa está fazendo a faculdade (ciência da religião)", explica.

Na avaliação de Veloso, que foi pai com quase 58 anos, "a paternidade faz parte, essencialmente, da semelhança divina que cada homem traz consigo, desde o momento da criação (livro do Gênesis, capítulo 2, verso 26), quando Deus disse `façamos o ser humano à nossa imagem e semelhança', e os fez macho e fêmea, e disse para eles: `Crescei e multiplicai-vos'". Mesmo após o casamento, várias pessoas continuam a chamá-lo de padre.

CONFLITOS - "Aceito o título como reconhecimento do ministério e dos serviços que continuo prestando, sem nenhuma quebra de continuidade, pela vontade das pessoas que me procuram e das comunidades que confiam em mim". Ordenado padre, em Roma, em 1961, ele comandou durante 11 anos e meio a paróquia do Morro da Conceição, em Casa Amarela. No ano de 1989, foi destituído da paróquia e suspenso das funções sacerdotais (celebrar missa, realizar matrimônios, fazer batizados) pelo arcebispo de Olinda e Recife, dom José Cardoso, da ala conservadora da Igreja. Para aplicar a punição, dom José alegou que o padre incitava nos fiéis aversão ao arcebispo.

De Norte a Sul do país, o padre Reginaldo Veloso é chamado para prestar assessoria no campo da liturgia, da música litúrgica e também de movimentos de evangelização. Além disso, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil solicita, às vezes, seus serviços. "São formas de exercer o ministério, mas é, sobretudo, o acompanhamento das comunidades eclesiais de base que me realiza como padre". Para ele, não há incompatibilidade entre a vida presbítera e o casamento. "São duas vocações importantes que deveriam ser acolhidas e exercidas com plena liberdade".

Veloso explica que, a essência do ministério sacerdotal consiste na capacidade, oficializada pela ordenação, de acompanhar e coordenar a vida das comunidades cristãs. "Ele é um grande articulador com liderança, competência e amor pastoral". São qualidades que, em seu entendimento, tanto podem existir na pessoa que renuncia ao casamento, como na casada, seja homem ou mulher. "O padre casado não perde a condição de cuidar da vida espiritual, assim como o médico casado não perde a condição de cuidar da saúde das pessoas".

Fonte: Jornal do Commercio - 9/8/1998

Siga www.onordeste.com pelo Twitter

REGINALDO VELOSO

Palavras-chave: