O NORDESTE / Enciclopédia Nordeste / Papangus de Bezerros, Pernambuco

Pesquisar em ordem alfabética

A B C D E F G H I J K L M N O PQ R S T U V W Y X Z
  • P

Papangus de Bezerros, Pernambuco

  • Tamanho da letra

    Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
  • Imprimir

    Imprimir
  • Enviar por e-mail

    Enviar por e-mail
Voltar

Papangu.  S.m. Mascarado que sai a rua geralmente em grupos, embrulhado de lençóis, coberto de dominós ou disfarçado de todas as maneiras; fantasia sem luxo, nem brilhos. O grupo mais conhecido é o da cidade de Bezerros - Pernambuco. O termo  vem de uma espécie grosseira, à espécie de  farricoco, que tomava parte nas extintas procissões de cinzas, caminhando  à sua frente, armado de um comprido relho, com que ia fustigando o pessoal que impedia a sua marcha. Sob o título "O Papa-Angu", circulou em 1846 um periódico político em Recife.

Fonte: "Dicionário do Carnaval de Pernambuco", Profª. Nelly Medeiros de Carvalho e Sophia Karlla Almeida Mota (Universidade Federal  de Pernambuco).

Existem várias versões que contam a origem de uma tradição centenária: Os papangus do carnaval de Bezerros, cidade localizada no agreste Pernambucano.

Segundo o professor Ronaldo J. Souto Maior, fundador do Instituto de Estudos Históricos, Arte e Folclore dos Bezerros, a origem dos Papangus de Bezerros data de 1881. O papa-angu nasceu de uma brincadeira de familiares dos senhores de engenhos, que saiam mascarados e mal vestidos para visitar os amigos nas festas de entrudo (antigo carnaval do século dezenove) e comiam angu, comida típica do agreste pernambucano. Por isso, as crianças passaram a chamar os mascarados de papa-angu.

Há versões populares sobre a origem desses personagens no carnaval de Bezerros. Uma, vem de uma história muito antiga: dois irmãos que comiam muito angu resolveram cortar as pernas das calças e cobrir o rosto com capuz para não serem reconhecidos, mas o disfarce não funcionou. Foram descobertos pela gula. Outra, é que, no século 19, os mascarados ganharam esse nome depois que uma senhora resolveu preparar angu de xerém para alimentá-los.

Segundo contam os moradores mais antigos de Bezerros, a brincadeira começou quando alguns homens quiseram brincar o carnaval sem serem reconhecidos, para despistar a atenção de suas esposas. A brincadeira foi pegando e a cada ano aumenta o número de mascarados nas ruas.

Antigamente o papangu tinha a máscara confeccionada com coité (cuia do fruto) ou com jornal e goma, cuja pintura era feita com azeitona preta, açafrão e folha de fava. Possuía chocalhos ao redor da roupa, que era enfeitada com palha de banana e na mão levava um maracá de coco seco com pedra dentro, trajavam roupas velhas, rasgadas com remendos e meias nas mãos, por isso eram conhecidos como Papangus Pobres.

A história foi mudando e a partir dos anos 60, as roupas velhas foram substituídas por caftas ou túnicas compridas e estampadas, que vestem dos pés à cabeça, colocam as máscaras para ficarem totalmente cobertos, pois a meta é se esconder, ganhando a farra sem ser identificados. Atualmente, a matéria-prima usada nas máscaras é o papel colê e machê.

A principal regra desta importante tradição carnavalesca é manter o sigilo sobre as máscaras que serão usadas, para que ninguém venha a ser reconhecido. Então, quando vai chegando à época próxima do carnaval, os foliões procuram confeccionar suas fantasias em segredo, para não correrem o risco de ser desmascarados antes da festa. Outros pontos foram mantidos: a troca de roupa em lugares desconhecidos, às "visitas" aos amigos e, antes de cair na folia, o costume de comer angu, que é normalmente fornecido pelos moradores locais.

A consolidação da tradição veio em 1990 quando a cidade de Bezerros surgiu no cenário nacional e ficou conhecida como a Terra do Papangu. Em Bezerros, a cultura do papangu é vivenciada durante o ano inteiro, através das oficinas de máscaras, da culinária desenvolvida com variados pratos feitos com angu, além das oficinas de dança e música carnavalesca.

No domingo de carnaval, a partir das 9h da manhã, a BR-232 fica lotada de papangus. Os blocos de panpangu são acompanhados de orquestra de frevo e carro de som, desfilando pelas principais ruas da cidade até a Praça da Bandeira, quartel-general do carnaval, onde outros papangus incorporam-se à festa.

A tradição dos papangus é comum a quase todo o interior de Pernambuco, mas se mantém mais forte no município de Bezerros.

Siga www.onordeste.com pelo Twitter

PAPANGUS DE BEZERROS

Palavras-chave: Nordeste, Pernambuco, Carnaval