O NORDESTE / Enciclopédia Nordeste / Evaldo Freire

Pesquisar em ordem alfabética

A B C D EF G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y X Z
  • E

Evaldo Freire

  • Tamanho da letra

    Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
  • Imprimir

    Imprimir
  • Enviar por e-mail

    Enviar por e-mail
Voltar
Evaldo Freire, cantor e compositor
Evaldo Freire

Evaldo Freire
Genivaldo Freire do Nascimento nasce em  28/10/1955 Ipanguaçu, Rio Grande do Norte. Cantor. Compositor.

Considerado de estilo brega, em 1980 lançou o primeiro disco, "A dor de uma paixão", pela EMI/Odeon, trazendo entre outras, "Vou beber até morrer", parceria com Tina e "Homem convencido", de sua autoria. No ano seguinte lançou "Em busca do teu carinho". Tem mais de 80 músicas gravadas. Gravou mais de 15 discos pelas gravadoras Jangada, EMI/Odeon, RGE e Polydisc.

Obra

A dona do meu coração (c/ Joel Teixeira)
A dor de uma paixão
A saudade que restou
A solidão (c/ Maurílio Costa)
Acredito não (c/ Maurílio Costa)
Amar (c/ Renato Gomes e Coronel Pereira)
Angústia (c/ Shirley Santelly)
Aquele amor
Arrependida
Até que dia terei que esperar?
Basta
Br deserta
Canteiro de amor (c/ Frank José)
Chega (c/ Célio Lima)
Cigana (c/ Célio Lima)
Cigana não minta pra mim (c/ Eros)
Coração cigano
Coração de serpente
Cruz de amargura (c/ Maurílio Costa)
Curva perigosa (c/ Pedro Paulo)
Deixa (c/ Laurineide e Coronel Pereira)
Distante estarei
Do mesmo jeito
Em busca do teu carinho
Esqueça de mim
Falso amor
Flor divina
Foi ela (c/ Toni Carlos)
Foi por amor
Hoje só falo de amor
Hoje você é feliz
Homem convencido
Ingratidão (c/ Laurineide e Mika)
Já chorei (c/ Edmildo Manteiga)
Já esqueci você (c/ Toni Carlos e Batista)
Lágrimas, lágrimas (c/ Maurílio Costa)
Luz vermelha
Maria de Jesus (c/ Martins Coelho e Seu Mané)
Me deixe em paz
Menina linda
Mentira
Meu bem
Meu castigo
Meu fim
Meu jeito de ser
Meus primos (c/ Francisco das Chagas e Neide)
Minha cruz (c/ Célio Lima)
Minha jangada (c/ J. Belmont e Coronel Pereira)
Moça vamos dançar
Muito louca (c/ Francisco das Chagas e Hermann Cokles)
Mundo ingrato
Não chore benzinho (c/ J. Freitas)
Não choro não (c/ Francisco das Chagas)
Não te quero mais
Não terás perdão
Nesta cidade
Noite de luar (c/ Coronel Pereira)
Nossa história
Nunca mais te amarei (c/ Cláudio Galeno)
Nunca voltarás
O jovem
O pescador
Obrigado Senhor
Oh! Meu Jesus
Onde está meu bem (c/ Dorremy)
Outro amor (c/ Coronel Pereira e Marcos Antônio)
Outro amor (c/ José Amaral e Francisco das Chagas)
Para nunca te perder
Pensando em Maria
Pensando em você (c/ Rossi Adriani)
Perdoa-me Senhor
Pode desaparecer
Por sua causa
Posso te amar (c/ Fernando Borges)
Pra teu castigo
Pra você chorar
Prefiro morrer
Quem foi?
Quero você (c/ Léo Ferreira)
Reconciliação
Rio Piranha
Sem orgulho (c/ Toni Carlos e Batista)
Senhor meu pai
Seu triste fim
Só resta beber (c/ Eros)
Somente a chorar
Tanta beleza
Tanto tempo (c/ Célio Lima)
Tarde de Domingo (c/ Almir Clay)
Te amo (c/ Oliver)
Te sentir mulher
Teu retrato (c/ Eros e Léo Ferreira)
Triste história
Tua felicidade (c/ Carlos Sérgio)
Tudo acabado
Um pouco mais (c/ Hamilton José e Edmildo Manteiga)
Vida infernal
Você
Você vai voltar (c/ Joselito e Juarez do Recife)
Vou beber até morrer (c/ Tina)
Vou embora

Discografia

(1991) Br deserta • RGE • LP
(1989) Do mesmo jeito • RGE • LP
(1988) Sucessos de ouro • Jangada • LP
(1987) Hoje só falo de amor • Jangada • LP
(1986) Foi por amor • Jangada • LP
(1985) Não te esquecerei • Jangada • LP
(1984) Outro amor • EMI/Odeon • LP
(1983) Minha gratidão • Jangada • LP
(1982) Volte cigana • Jangada • LP
(1981) Em busca do teu carinho • Jangada • LP
(1980) A dor de um apaixão • Jangada/EMI/Odeon • LP

Bibliografia Crítica

CÂMARA, Leide. Dicionário da Música do Rio Grande do Norte. Natal: Acervo da Música Potiguar, 2001.

Fonte: Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira

EVALDO FREIRE - A lágrima doída de um homem assombrado

A voz forte e dolorida é o mais evidente indício do peso que Evaldo Freire leva inscrito na alma. Desiludido com o mundo, o meio musical, as relações estabelecidas entre ricos e pobres, ele leva para suas canções o drama que é ser ele mesmo: já cantou a morte da mãe, as dores de ser deixado, a vingança de não mais querer quem ele amou e não o correspondeu. Aqui, Evaldo fala sobre a expulsão de casa quando ainda era criança, o início da carreira, o sucesso que o levou a morar em hotéis de luxo e os fantasmas que ainda assombram sua estrada singular

Fabiana Moraes
fmoraes@jc.com.br

Evaldo Freire deveria estar feliz. Tinha fechado um excelente contrato com uma gravadora de alcance nacional. Seus discos eram um sucesso: só o primeiro havia passado das 500 mil cópias, permitindo que ele pudesse experimentar o dourado título de ídolo popular. Deixou para trás o garoto invocado e pobre que morava em um acampamento cigano no Rio Grande do Norte para ser tratado como estrela no Rio de Janeiro. Evaldo Freire deveria estar feliz, mas aí se viu fechado em uma pequena sala, um psicanalista sentado ao seu lado, o ar condicionado e a penumbra de lá dentro como antítese do sol forte de lá fora. "A Odeon pagou um médico para saber o que era aquela tristeza dentro de mim." O doutor que vivia na penumbra tentava em vão cavar aquilo o que o cantor, é claro, já conhecia. Aquela tristeza diaba era um troço grande e multiforme, tentacular, esquisito, arrastado, refratário, indizível e adjetivável demais para ser formatado em 45 minutos de conversa.

O sentimento monstro foi inaugurado precocemente. Evaldo tinha apenas 9 anos de idade quando foi mandado embora de casa. Morava com os pais e os seis irmãos na fazenda de um tio, em Ipanguaçu. O proprietário da casa não gostava dele e deixava isso claro. Um dia, disse que o menino, filho de sua irmã, não poderia mais viver ali. A família se preparou para sair, mas a falta de dinheiro, de perspectiva e de coragem fez com que todos ficassem menos Evaldo. Maria de Jesus, sua mãe, tentou protegê-lo: recomendou-o para uma comunidade cigana, como ela, que vivia perto dali. Era uma forma de cuidar do menino, que foi morar em meio a uma lógica distinta: o pai, o vaqueiro Eduardo, não compartilhava das práticas da mãe. "Sou batizado na Assembleia de Deus. Minha família é cigana e evangélica." Ri da própria declaração. "É isso aí, cigana e evangélica. É difícil, viu?"

Continuou vendo Maria: ia até a fazenda todos os dias à tarde tomar a bênção. Ao mesmo tempo, se adequava ao dia a dia dos ciganos, aprendendo através da saudade ou da raiva, na verdade os dois sentimentos misturados, o significado de kachardin (triste), de kambulin (amor), de bata (mãe), de bato (pai). Foi nessa imersão e nessa vida na qual via pais e irmãos, de longe, seguindo como família, que ele moldou o troço tão adjetivável cujo rosto encararia mais tarde, na sala escura do psicanalista. No acampamento, o violão era a maior companhia, ajudando-o a sedimentar uma tristeza que, repare, nunca foi silenciosa. Saía como voz, como nota, às vezes com a ajuda de um dose de ximbira (aguardente). Um dos irmãos criados sob os carinhos de Maria de Jesus e Eduardo um dia o viu tocar. Entendeu rápido: "Você canta pedindo socorro".

Contou todas essas coisas envolvido pelo frio do ar condicionado, enquanto o sol forte estava lá fora. Contou também sobre quando foi embora. Tinha perto de 17 anos. Saiu do acampamento para o sétimo Batalhão de Engenharia de Combate, em Natal. No dia em que chegou, falando com um sotaque cigano, tão diferente, logo resolveram a questão. "Você é comunista?", perguntou um oficial de alta patente. Em meados dos anos 70, ou você era isso ou aquilo, mas Evaldo passou batido pela polarização política: sua singularidade consistia em ser um rapaz de cabelos encaracolados que trazia como bagagem um violão e uma tristeza grande e multiforme, tentacular, esquisita, arrastada, refratária, indizível e adjetivável demais para ser formatada dentro dele mesmo.

Passou anos no batalhão. Virou tenente. "O comandante me adotou como filho. Aí foi bom." Ainda sonhava em ser cantor. "Eu ficava pensando: um dia vou chegar perto desses cabras dos Fevers e vou falar com eles." Pediu baixa no quartel e novamente ficou só. O mercado musical de Recife o atraiu: foi parar na cidade, tentou conversar com alguém da gravadora Rozemblit, então responsável pela metade do que era lançado no mercado nordestino. Foi barrado por um guarda. "Achavam que eu era doido. Pensavam: " Mas um cara desses, cigano e pobre, vai ser artista?" Resolveu gravar uma fita cassete, voz e violão. Mandou para a EMI Odeon. A gravadora, dona do selo Jangada, voltado para artistas populares românticos, chamou o rapaz para conversar. Evaldo viu seu discurso do cigano pobre que não faz sucesso desaparecer quando, em 1979, recebeu o convite para gravar um disco. "Ganhei tanto dinheiro que achei que não precisava mais gravar nada, podia parar por ali." O primeiro álbum demorou quase um ano para sair. Durante esse tempo, o cantor ia todos os dias ao escritório local da empresa, na Conde da Boa Vista, na expectativa de ver seu rosto impresso na capa de um vinil.

Um dia, passando na frente de uma das lojas de discos A Modinha, ouviu sua voz. Um Evaldo ineditamente feliz escutava um Evaldo triste cantar: "Eu lhe vi sentada, muito alegre/Na mesa de um cabaré/Senti a dor, no meu peito bateu/De lembrar que você/Já foi minha mulher." Era a música A dor de uma paixão, carro-chefe do disco homônimo. "Tocou muito, muito, demais. Tocou tanto que eu tive até raiva." Estava com 23 anos. Fez shows, vendeu mais discos, lançou outros (Em busca do teu carinho, 1981, Volte, cigana, 1982, Minha gratidão, 1983). A gravadora, feliz com o sucesso do moço de cabelos encaracolados, a voz tão aflita, o mandou para um hotel cinco estrelas carioca. Ficou dois anos no Rio. A tristeza diaba que levou consigo passou a contrastar terrivelmente com a nova vida, o dinheiro, o sucesso, o assédio, o uísque caro, o serviço de quarto, a comida boa, os amigos. Evaldo, sem conseguir dar conta do sentimento monstro, ia se fechando. Foi enviado para a sala da penumbra e do ar refrigerado. Entre os colegas cantores, virou o desvairado, o esquisito, o doido. Só que ninguém o nomeou daquilo o que ele era e até hoje é: um homem assombrado.

Voltado cada vez mais para si, continuou gravando (Outro amor, 1984, Não te esquecerei, 1985, Foi por amor, 1986). No começo dos anos 90, encerrou a longa relação com a Odeon e iniciou outra, mais curta (dois discos) com a RGE. Voltou a morar no Nordeste, desta vez no litoral norte pernambucano. Uma ampla casa a menos de um quilômetro do mar é o local escolhido para viver com os dois filhos e a mulher, Luciene. Ao lado dela, viaja para shows frequentes em cidades do Norte do País, como Rio Branco, Sena Madureira e Esperança. Em agosto deste ano, se apresentou quatro vezes no Acre. Vai para tão longe porque, ao contrário daqui, ali lhe pagam bem  um show sai por, em média, R$ 7 mil.

Nas apresentações, o violão que tanto carregou deu lugar a um teclado. As cordas, diz, trazem com demasiada força aquilo o que constantemente o assusta. "Deixei de escutar porque tenho depressão. Deixei de beber. E não me escuto mais não. E tem o medo. O medo de alma, de gente morta. Eu já vi, muito, acredite." Quem tanto o afetou, tem certeza, não foi a bebida " apesar de os dois, juntos e em excesso, já terem provocado muita coisa ruim. "Quando ele dizia: "Nem marque show para mim", eu já sabia que ele ia sumir. Passava dias fora, bebendo, na estrada", conta Luciene. Evaldo sabe que o detonador da voz aflita foi a solidão que experimentou desde o momento em que saiu da fazenda. "É triste olhar para um lado e pora outro sem saber para onde se vai."

É comum, quando chove à noite, vê-lo na varanda, olhando o mar. Acredita que uma onda enorme, gigante, pode se levantar e levar sua casa, sua esposa, os meninos, os discos de ouro e de platina símbolos de outro momento, o som muito potente que ele coloca no volume máximo para que as visitas percebam que bela máquina de música existe em sua sala de estar. Sua vigília, ao que parece, garante a ele mesmo que tudo vai ficar bem, basta permanecer acordado. Nesses momentos, sabe que não está só. Ali, perto dos diversos objetos dourados que Luciene comprou para evocar a vida um dia cigana de Evaldo, está ele: o troço grande e multiforme, tentacular, esquisito, arrastado, refratário, indizível e adjetivável demais para ser formatado em apenas cem linhas de uma matéria.

"Eles sofrem tanto quanto nós"

Ritos de iniciação não institucionalizados, aqueles pelos quais passamos sem saber que mais tarde ganharão esse título pomposo, formam parte do revestimento dourado de nossa memória. Andréa Xavier estava em cima de uma árvore plantada na casa de praia onde passava os verões, em Maria Farinha (Litoral Norte do Estado), quando viu e ouviu aquele bando de homens bebendo, jogando sinuca, cantando e chorando a cada canção. "Ali era meu esconderijo secreto, minha casa da árvore, minha melhor brincadeira." As amigas não entendiam como ela podia prestar atenção nos gostos de homens e tão mais velhos. Eles ouviam Evaldo Braga, Alípio Martins, Altemar Dutra, Nelson Gonçalves, Fernando Mendes, Reginaldo Rossi, Adilson Ramos. E Evaldo Freire. Chega, maior sucesso do cantor, colou na memória afetiva da jornalista de 26 anos. "Essa música é do tipo que se fixa em você. Seja pela melodia ou pela letra. Aliás, se tem uma coisa bacana nessa música, é a letra. Todo mundo já sofreu de amor e se identifica com o sofrimento do cantor. Como se ele também te entendesse. Rola um sentimento de que o ouvinte e o cantor são amigos, de que ele está compartilhando a história de vida dele e que de alguma forma vai te conformar na sua vida amorosa também."
Evaldo, nesse sentido, personifica de maneira máxima um tipo de exposição masculina só possível e respeitada, no Brasil, dentro do universo do que se convencionou ser chamado de brega. "Acho que os homens encontraram nessa música uma forma de expor os sentimentos e os sofrimentos de um amor não correspondido, de uma traição sofrida", diz Andréa, que ainda hoje ouve música popular romântica com seu pai. "Vejo a fragilidade dos homens quando o assunto é amor. Eles sofrem tanto quanto nós mulheres." Em Chega, adjetivada pela jornalista como linda e envolvente, o homem, aquele que representa todos nós cansados de sofrer, dá o troco na mulher. "Eu imagino até a historinha: eles estavam juntos, aconteceu algo que motivou uma briga. Ele sofreu de amor e, agora que superou, ela percebeu os erros e busca o perdão do amado. Mas ele não quer mais saber dessa mulher ingrata que o fez sofrer." Apesar de encontrar resistência dos amigos, ela costuma frequentar shows nos quais o "brega" é o mote, seja em espaços mais populares (festas na periferia, em clubes), seja naqueles em que o estilo tanto é respeitado como é consumido com certo folclore. "Choro de saudade da minha infância, das tardes que passei em cima de uma árvore, da vitrola do Bar de Seu Fia. Essas músicas, esses cantores, me marcam porque ouvi-los hoje me remete a um passado de muita alegria."

Fonte: Jornal do Commercio - 26/12/2011

Palavras-chave: