O NORDESTE / Enciclopédia Nordeste / Bolacha-quebrada

Pesquisar em ordem alfabética

A BC D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y X Z
  • B

Bolo Souza Leão

  • Tamanho da letra

    Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
  • Imprimir

    Imprimir
  • Enviar por e-mail

    Enviar por e-mail
Voltar

Bolo Souza Leão 
Virgínia Barbosa

Bibliotecária da

Fundação Joaquim Nabuco

pesquisaescolar@fundaj.gov.br
 
         O doce tem lugar de destaque na culinária nordestina e traz referências do passado e do presente, frutos de heranças culturais diversas - portuguesa, hispânica, africana, ameríndia. A história nos mostra que, desde a colonização do Brasil, a presença dos doces é marcante. Nos engenhos, as prendadas senhoras da casa-grande trouxeram de Portugal uma vasta experiência na elaboração dos doces, muitos originários das cozinhas dos conventos, que passaram a compor a doçaria tradicional portuguesa. Na terra colonizada, foram feitas adaptações ou acréscimos em suas receitas, com os ingredientes locais disponíveis, sem comprometer o sabor.

          Gilberto Freyre, no seu livro Açúcar, afirma: "a marmelada, o caju e a goiabada tornaram-se desde os tempos coloniais, os grandes doces das casa-grandes. A banana assada ou frita com canela, uma das sobremesas mais estimadas das casas patriarcais, ao lado do mel de engenho com farinha de mandioca, com cará, com macaxeira; ao lado do sabongo [doce de coco com o mel de engenho] e do doce de coco verde e, mais tarde, do doce com queijo - combinação tão saborosamente brasileira" (FREYRE, 1987, p. 57).

         Ao lado dos doces, o Nordeste brasileiro é área por excelência dos bolos, principalmente dos bolos autorais, de receita especial de família. A exemplo deste, encontramos o Souza Leão que ganhou valor de patrimônio regional e mesmo nacional.

         Segundo pesquisadores, o Bolo Souza Leão entrou na história da culinária pernambucana por intermédio de Dona Rita de Cássia Souza Leão Bezerra Cavalcanti, esposa do coronel Agostinho Bezerra da Silva Cavalcanti, proprietário do engenho São Bartolomeu, povoado de Muribeca, município de Jaboatão dos Guararapes. De Dona Rita, renomada quituteira da época, tem-se conhecimento de que muitas de suas receitas ficaram famosas, como a do Bolo São Bartolomeu e o Bolo Souza Leão. Alguns ingredientes do Souza Leão, originalmente europeus, foram substituídos: o trigo pela massa de mandioca e a manteiga francesa, por manteiga feita na cozinha do engenho. O sucesso ficou garantido até a atualidade e é considerado o mais aristocrático bolo nordestino. Inclusive, na tradição de servir o bolo, existe a obrigação de utilizar pratos de porcelana ou de cristal. Provavelmente, esta exigência deva-se a importância dos Souza Leão, que o batizaram. Conta-se, também, que ele foi servido ao imperador Dom Pedro II e sua esposa, Tereza Cristina, quando de passagem por Pernambuco, no ano de 1859.

         Atualmente, é tarefa difícil identificar a receita original, que se atribuiu a Dona Rita de Cássia. Freyre (1987, p. 77), confirma: "Consegui várias receitas desse manjar, mas todas se contradizem, a ponto de me fazerem duvidar da existência de um bolo Sousa Leão orotodoxo [verdadeiro]. Consegui-as quase como quem violasse segredos maçônicos". Os descendentes da família Souza Leão são provenientes de onze engenhos de Pernambuco. Com o passar dos anos, a receita original foi sofrendo pequenas variações nos ingredientes, e cada ramificação da família afirma ser sua a receita verdadeira. Deixando à parte essa disputa, a verdade é que qualquer que seja a versão apresentada, o bolo é sempre bom, cremoso, lembrando um pudim, e quem o degusta, nunca o esquece.

         A seguir, uma das receitas do tradicional bolo Souza Leão:

Bolo Souza Leão

Ingredientes:

- 18 gemas;

- 6 xícaras de leite de coco puro;

- 1 kg de açúcar;

- 1 kg de massa de mandioca;

- 2 colheres de sopa de manteiga;

- Sal a gosto.

Preparo:

- Com açúcar, faça uma calda em ponto de fio;

- Junte a manteiga e depois as gemas;

- Acrescente a massa lavada, espremida e peneirada. E, por fim, leite de coco e sal a gosto;

- Passe toda a mistura em peneira muito fina, várias vezes;

- Coloque em fôrma untada com manteiga e forrada com papel impermeável, também untado. Asse em forno regular.

         No dia 22 de maio de 2008, foi sancionada pelo governador Eduardo Campos, a Lei nº 357/2007, de autoria do deputado Pedro Eurico, que deu ao bolo Souza Leão o título de Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado de Pernambuco.

Recife, 22 de dezembro de 2008.

(Atualizado em 14 de setembro de 2009).


FONTES CONSULTADAS:

BOLO Souza Leão. Disponível em: <http://www.nordesteweb.com/culinaria/receitas_doces/culinaria_do_010.htm>. Acesso em: 16 dez. 2008.

BOLO Souza Leão ganha título de patrimônio imaterial. JC Online, Recife, 22 maio 2008. Caderno C.  Disponível em: <http://jc.uol.com.br/radiojornal/2008/05/22/not_195796.php>. Acesso em: 16 dez. 2008.

CAVALCANTI, Lectícia. Bolo Souza Leão. Disponível em: <http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1359017-EI6614,00.html>. Acesso em: 16 dez. 2008.

FREYRE, Gilberto. Açúcar: em torno da etnografia da história e da sociologia do doce no Nordeste canavieiro do Brasil. Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1987.

LODY, Raul. Nego bom e Souza Leão: o bom do doce em Pernambuco. Tempo Tríbio, recife, v. 1, n. 1, p. 135-141, 2006.

Fonte: BARBOSA, Virgínia. Bolo Souza Leão. Pesquisa Escolar On-Line, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://www.fundaj.gov.br>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.
 

 Siga www.onordeste.com pelo Twitter

Palavras-chave: