O NORDESTE / Enciclopédia Nordeste / Banda de Pífanos Zabumba de Caruaru

Pesquisar em ordem alfabética

A BC D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y X Z
  • B

Banda de Pífanos Zabumba de Caruaru

  • Tamanho da letra

    Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
  • Imprimir

    Imprimir
  • Enviar por e-mail

    Enviar por e-mail
Voltar

Banda de Pífanos Zabumba de Caruaru

Componentes
Benedito Biano

Sebastião Biano

Gilberto Biano

João Biano

José Biano

Amaro Biano

Dados Artísticos
Banda de pífanos.

Benedito Biano - Caruaru, Pernambuco- 1912 - 12/1999

Sebastião Biano - Caruaru, PE

Gilberto Biano - Caruaru, PE

João Biano - Caruaru, PE

José Biano - Caruaru, PE

Amaro Biano - Caruaru, PE

Dentre todas as Bandas de Pífanos, a que mais obteve destaque foi a Banda de Pífanos Zabumba de Caruaru. Em 1924 é criada oficialmente a Banda de Pífanos Zabumba de Caruaru pela família Biano, tendo à frente os irmãos Benedito e Sebastião, assim como os filhos deste, João e Gilberto, e mais dois parentes, José e Amaro. A banda tornou-se uma tradição na família Biano, e seus componentes vão-se renovando ao longo do tempo, sendo mantida no fim dos anos 1990 pelos bisnetos dos fundadores.

Benedito e Sebastião são considerados por muitos como virtuoses, pela riqueza melódica, sincopação, brilho e adequação aos instrumentos. Benedito, que faleceu em 1999, começou na banda aos 12 anos de idade. A Banda de Pífanos de Caruaru tornou-se conhecida fora de sua região, quando, em 1972, Gilberto Gil gravou a composição "Pipoca moderna", de Sebastião Biano com letra de Caetano Veloso em seu disco "Expresso 2222". A partir daí, a banda ganha destaque nacional, passando a realizar diversos shows pelo país e a gravar discos, fazendo com que muitos de seus membros abandonassem os empregos e passassem a viver apenas da música.

Em 1975, Caetano Veloso gravou "Pipoca moderna" no disco "Jóia", do mesmo ano. A banda já gravou oito discos e influenciou diversos artistas, como o Quinteto Armorial, que, surgido sob a orientação de Ariano Suassuna, se inspirou no Terno de Pífanos de Caruaru, o Quinteto Violado; também teve como fonte de inspiração as bandas de pífanos, e, mais recentemente, o grupo Mestre Ambrósio. Em 1972, gravou seu primeiro disco pela CBS. No mesmo ano, participou da série Música Popular do Nordeste, dirigida por Marcus Pereira, no volume 4, no qual interpretou as composições "Marcha de procissão", de Benedito Biano, "Esquenta mulher" e a "Briga do cachorro com a onça", ambas de Sebastião Biano, sendo que a última é tema conhecido e reconhecido em todo o Nordeste. Em 1980 lançou pelo selo Marcus Pereira o LP "A bandinha vai tocar", no qual interpreta diversas músicas de componentes da banda, como "Baiano da viola", de Benedito e Sebastião Biano, e alguns clássicos da música nordestina, como "Forró em Limoeiro", de Edgar Ferreira, "A Bandinha vai tocar", de Anastácia e Paraná Queiroz, e "Feira de Mangaio", de Sivuca e Glorinha Gadelha. Em abril de 2006, a BPC participou do Projeto Pixinguinha, abrindo a caravana que parte de Cachoeiro de Itapemirim, ES, circulando por Campinas, Tubarão e Guaratinguetá, junto com a cantora paulista Cris Aflalo e o piauiense Gilvan Santos. Nos shows a banda incluiu o repertório do novo disco "No século XXI, no pátio do forró". Antes de partir a caravana, o grupo apresentou show no Bar do Tom, RJ.

Discografia

(1980) A bandinha vai tocar • Discos Marcus Pereira • LP
(1976) Banda de Pífanos de Caruaru • Continental
(1973) Banda de Pífanos de Caruaru
(1973) Música popular do Nordeste • Discos Marcus Pereira • LP
(1972) Banda de Pífanos de Caruaru

Fonte:dicionariompb

Siga www.onordeste.com pelo Twitter

Palavras-chave: