Pesquisar em todos os Blogs
Voltar

31.12.2012

Manta de fibra de coco começa a ser produzida em Conde a partir de janeiro

  • Tamanho da letra

    Diminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra
  • Imprimir

    Imprimir
  • Enviar por e-mail

    Enviar por e-mail
  • 0 Comentário

    Comentários

A indústria de coco do Grupo Aurantiaca, que está sendo instalada no município do Conde, iniciará a partir de janeiro de 2013 a produção de manta de fibra de coco e biorolo, utilizados em sistemas de contenção nas estradas.

A fibra de coco que será produzida pela Aurantiaca deverá ser utilizada pelas indústrias automobilísticas instaladas na Bahia e para a utilização de derivados de coco em fábricas de cosméticos sediadas no Estado.

Em um estágio mais avançado do projeto, haverá a produção de outros produtos de coco, entre eles, água, óleo, leite e farinha. "Entendemos que ações do Estado neste sentido, articulando e incentivando o uso de produtos baianos na nossa própria economia, alavancam e viabilizam iniciativas de investimentos como os da Aurantiaca", afirma Piet Henk Dörr, presidente da empresa.

Segundo o vice-presidente da Aurantiaca, Roberto Lessa, "não existe no mundo uma indústria similar em termos de total aproveitamento do coco". Haverá aproveitamento da água do coco; da polpa, para produção do leite de coco e coco ralado; da casca, como fonte de nutrientes para o solo das fazendas e da concha do coco, como combustível nas caldeiras de produção da indústria.

A indústria irá produzir cerca de 600 mil frutos em suas fazendas próprias e vai comprar coco de produtores locais.

O município do Conde, onde estão sediadas as fazendas da Aurantiaca e onde está sendo construída, com recursos próprios, a fábrica, tem uma área de mais de 15 mil hectares plantados com coco. Esse território é maior do que a área plantada em estados como Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Com a chegada da indústria, as perspectivas são de melhorias para os produtores de coco. Segundo dados do IBGE, cerca de 90% dos que atuam nesse segmento, no Brasil, têm um perfil de agricultores familiares, com propriedades de até 50 hectares.

A expectativa é de que o consumo de água de coco no mercado brasileiro salte de 1,4%, para 5%, atingindo a marca de 500 milhões de litros.

Fonte: Tribuna da Bahia

Palavras-chave: Industria, Tecnologia

Comentários

Deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

URL:

Twitter:

Comentário

Voltar